Em dezembro de 2020 foi identificada uma nova variante genética do SARS-CoV-2 ne Europa, especificamente no Reino Unido e Irlanda do Norte. Esta variante denominada SARS-CoV-2 VUI 202012/01 (sob investigação, ano 2020, mês 12, variante 01) apresenta uma série de mutações, particularmente no gene S, que codifica a proteína spike.

A possibilidade de resultados falsos-negativos para a nova variante está limitado os testes moleculares que utilizam apenas o gene S do SARS-CoV-2 como alvo. Os kits RT-PCR utilizados pelo Laboratório Clila empregam dois ou três alvos genéticos virais distintos para a detecção do SARS-CoV-2, tendo como benefício maior sensibilidade e especificidade comparado aos que detectam apenas um alvo. Até o momento não há relatos de falsos-negativos nos kits utilizados para a nova variante. Portanto, a sensibilidade dos testes moleculares para o diagnóstico COVID-19 não é afetada pelas mutações da variante SARS-CoV-2 VUI 202012/01.

A equipe técnica e científica do Laboratório Clila acompanha as rotinas de exames e as publicações nacionais e internacionais para avaliar a eficiência dos testes diagnósticos e manter a qualidade dos serviços prestados com o compromisso de levar melhor assistência para todos.